Ortopedista Dr. Michal alerta para os cuidados com a postura inadequada no home office

Trabalhar de casa sempre trouxe a sensação de conforto e comodidade, mas na verdade é preciso ter atenção e cuidados relevantes com a postura. O uso inadequado de equipamentos, móveis incompatíveis, falta de apoio correto para os braços, pernas e cabeça, podem causar dores musculares e nas articulações, relacionadas à postura. O Dr. Michal Kossobudzki, vem notando possíveis causas que podem potencializar as dores incômodas durante o expediente de trabalho home office com base nas queixas de seus pacientes durante a pandemia. 

Com pouco mais de um ano, a pandemia vem deixando rastros de problemas relacionados à nova rotina de trabalho, onde as casas se tornaram escritórios e salas de aulas. Desde então, pessoas passaram a reclamar de dores constantes e incômodo ao longo das atividades, e para o Dr. Michal tudo isso pode e precisa ser evitado o quanto antes para no futuro, não levar a problemas maiores. ”Venho atendendo muitas reclamações de dores nos ombros, nos punhos, na coluna vertebral, e a primeira coisa que alerto aos meus paciente que estão trabalhando em suas casas é, a necessidade de ter o local e a estrutura correta para o trabalho”, explica o Dr. que ressalta que para o sucesso do tratamento é importante que se tenha um bom ambiente de trabalho. 

Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), para identificar como a pandemia tem afetado a vida em diversos aspectos revelou que 41% das pessoas que participaram sentem dores na coluna. Segundo Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Instituto Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013, esse número era de 18,5%. O fator da adoção do trabalho remoto, devido a pandemia, vem levando muitos trabalhadores a permanecerem muito tempo em frente ao computador de forma inadequada, e chamou a atenção dos especialistas.  

sobre a pesquisa em: https://www.youtube.com/watch?v=GgreAg52gwk  

Para o Dr. o aumento do tempo sedentário e a postura incorreta precisam de atenção. Para orientar os pacientes, ele indica, além da prática de atividade física regular, os cuidados ergométricos, levando em consideração que o posto de trabalho precisa ter elementos favoráveis ao plano de trabalho.  “A coluna precisa acompanhar a curvatura da cadeira e ter apoio para os braços. O ideal para a mesa é que os braços formem um ângulo de 90 graus, com braços e ombros relaxados, pulsos retos, e que os olhos estejam alinhados com a parte superior da tela do computador, com 50 centímetros de distância, e  que os pés estejam apoiados em um suporte, ou totalmente no chão”, finaliza o médico, que também reconhece a necessidade de fazer pausas de até 15 minutos para um alongamento.  

Sobre Dr. Michal Kossobudzki – Cirurgião especialista em Ortopedia e medicina esportiva, é a 4ª geração de médicos na família. Possui larga experiência no diagnóstico e tratamento de lesões complexas do joelho, sendo elas conservadoras (não cirúrgico) ou cirúrgicas. Formado em Medicina pela UnB, fez Residência em Ortopedia e Traumatologia pela Clínica de Fraturas da XV e Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (PR). Após, fez especialização em cirurgia de joelho, Artroscopia e Medicina Esportiva no Instituto Cohen em São Paulo (SP). 

Aprovado em concursos em São Paulo (SP) e Brasília (DF), foi médico da Secretaria de Saúde no Hospital Regional de Santa Maria de 2010 a 2014. Atuou na chefia da ortopedia dos hospitais Santa Helena e Hospital Brasília (2014-2019), sendo ex-sócio administrador de Clínica no Lago Sul e, atualmente, sócio fundador e CEO da Clínica de Cirurgia do Joelho que leva seu nome na Asa Norte, desde março de 2019. Possui conhecimentos nos mais atualizados métodos para o tratamento de enfermidade, é reconhecido por sua postura ética, respeito à individualidade e atendimento humanizado.

SERVIÇO

CLÍNICA DE CIRURGIA DO JOELHO DR. MICHAL KOSSOBUDZKI

Endereço: Quadra 2 Bloco B EDIFÍCIO CLEO OCTÁVIO SALA 1505, SHCN, Brasília – DF, 70710-146

Site : www.drmichal.com.brhttps://www.facebook.com/Michal-Alexander-Kossobudzki

Delmasso consegue alteração do traçado do projeto da Avenida das Cidades

quarta-feira (26), o deputado Delmasso (Republicanos) reuniu-se virtualmente com os moradores do Park Sul para falar da conquista da alteração do projeto da Avenida das Cidades. Preocupados com o traçado do projeto, os moradores recorreram ao parlamentar, pois a via seria implementada próximo aos edifícios residenciais do Park Sul.  Após acionamento dos órgãos competentes, audiências públicas e várias reuniões, Delmasso conseguiu a alteração do traçado.

Uma luta de mais de dois anos, teve fim após uma resposta favorável da Secretaria de Estado de Transporte e Mobilidade (SEMOB). “O pleito para alteração de traçado da Avenida das Cidades, no segmento adjacente ao Park Sul, conforme apresentado na Audiência Pública realizada em 22 de março de 2021, foi atendido”, diz trecho de e-mail enviado ao parlamentar, pelo subsecretário de Parcerias e Concessões, Henrique Oliveira Mendes.

Durante a reunião, os moradores comemoraram a conquista. José Neiva agradeceu ao deputado pela luta e empenho. “Obrigado por conseguir mudar esse traçado que tanto nos incomodava. O deputado vem lutando há muito tempo. Somos gratos”, disse Neiva.

Em 5 de setembro de 2019, durante Comissão Geral de iniciativa de Delmasso para tratar do assunto, o parlamentar recebeu um abaixo-assinado com 1.136 assinaturas pedindo a alteração do traçado no projeto da Avenida das Cidades, à época chamado de Transbrasília/Interbairros. No mesmo dia, foi decidida a criação de um Grupo de Trabalho para apresentar propostas concretas em prol da causa.

A síndica do condomínio Living, Lúcia Helena, também celebrou a vitória. “Felizmente hoje estamos aqui com essa excelente notícia. Em todas as nossas demandas do Park Sul o deputado nos acompanhou e muito foi alcançado graças ao seu esforço. Fiquei muito feliz por fazer parte do grupo de trabalho”, comemorou Lúcia.

Para o deputado Delmasso, após essa conquista para os moradores do Park Sul, o próximo passo é buscar mais melhorias, como trocar iluminação para lâmpadas de led, lutar para implementação de praças, PECs e uma ciclovia. “Quero anunciar que após ser procurado por oficineiros que tem interesse de sair da região, já comecei a tratar do assunto com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e uma possibilidade seria a mudança para o Sia. Vamos conversar com os oficineiros e ver se aceitam a mudança. Com isso, vamos consolidando o bairro como totalmente residencial”, contou Delmasso.

O subsecretário de Parcerias e Concessões da SEMOB, Henrique Oliveira Mendes, também presente na reunião, disse que a Secretaria está de portas abertas para discutir o projeto da Avenida das Cidades, ou de ciclovias. “Obrigado pela oportunidade e o convite para participar desta reunião. Parabenizo a todos pela mobilização, principalmente ao deputado Delmasso, por representar toda a comunidade”.

Período de seca chega ao DF e reforça necessidade do uso racional da água

O período de estiagem chegou ao Distrito Federal. A seca deve se prolongar até o mês de setembro. Com a ausência da chuva e a queda da temperatura, o inverno seco, típico do cerrado, vai predominar, como é característico do clima de Brasília. Além dos efeitos sentidos pelos moradores, é importante lembrar que a falta de chuva reduz a quantidade de água nos córregos e rios. E os reservatórios do Descoberto e de Santa Maria/Torto, que abastecem cerca de 80% da população do DF, perdem, naturalmente, volume. Sendo assim, é ainda mais importante fazer o uso racional da água.

O maior reservatório do DF, o do Descoberto, verteu continuamente entre 15 de fevereiro e 15 de maio. Já o de Santa Maria verteu entre os dias 14 de fevereiro e 16 de março, atingindo novamente seu nível máximo em 20 de abril. Os altos índices representam segurança hídrica para o DF atravessar o período da seca, mas é preciso manter os hábitos de consumo consciente da água.

A Caesb trabalha no monitoramento constante para garantir a segurança hídrica. No entanto, é importante que toda a população se envolva e faça o uso racional da água, evitando desperdício. Pequenas ações do dia a dia contribuem substancialmente na preservação deste recurso finito. Fazer reúso de água em casa, reduzir o banho ou, até mesmo, não usar mangueira para lavar a calçada e o carro são atitudes conscientes e que fazem a diferença.

Técnicos da Caesb explicam o trabalho que vem sendo realizado pela Companhia e a importância da conscientização da população neste período de estiagem. Confira:

– Quais são as medidas que vêm sendo tomadas para mitigar os efeitos da seca e garantir a segurança hídrica para a população do DF:

Segundo o gerente de Planejamento e Controle Operacional da Empresa, Cristiano Gouveia, a Caesb destina esforços em diferentes linhas de atuação para promover a segurança hídrica à população do DF. As ações vão desde a ampliação de sistemas produtores de água, passando pela instalação ou reforma de unidades operacionais, ações para controle e redução de perdas, educação ambiental, proteção de mananciais, automação de processos industriais, entre outras.

– Como o usuário pode contribuir para não impactar na diminuição dos níveis dos reservatórios e manter a economia de água no DF? 

As analistas da Gerência de Gestão Ambiental Corporativa da Caesb, Karina Bassan e Erika Radespiel, explicam que, para que se faça a verdadeira gestão sustentável deste recurso, é preciso pensar de forma mais abrangente e sistêmica, repensando também os hábitos de consumo. São várias ações que devem ser adotadas no dia a dia. Entre elas: 

• Verificar regularmente possíveis vazamentos em casa;

• Irrigar as plantas com regador ao invés de mangueira;

• Quem tem áreas externas, preferir plantas nativas do Cerrado, que são mais resistentes e demandam menos água;

• Usar aeradores de torneira que consomem menos água;

• Retirar os restos de comida da louça a ser lavada e usar uma bacia para colocar a louça enquanto passa o sabão. E enxaguar todas de uma vez;

• Quem tem piscina, mantê-la coberta fora do período de uso;

• Usar baldes para lavar o carro, janelas, etc;

• Reaproveitar a água da lavagem de roupas para lavar pisos e áreas externas;

• Juntar várias peças de roupas sujas para usar a máquina de lavar apenas uma vez.

Além dessas dicas, é preciso pensar na água invisível, que é a água despendida para consumo de produtos e serviços, utilizada na produção de alimentos, na indústria, no comércio e lazer, por exemplo. É importante compreender que o cuidado e a responsabilidade com a água não se restringem apenas àquela fornecida nas torneiras, mas em toda a cadeia de consumo.

– Como o período de seca impacta nos níveis dos nossos reservatórios? 

O gerente Cristiano Gouveia alerta que, à medida em que o período de seca se intensifica no DF, a disponibilidade hídrica nas captações a fio d’água (sem reservação) diminui. Então, os reservatórios (que acumularam água no período de chuva), precisam fornecer mais água para complemento da demanda. Assim, é natural que durante o período de seca os níveis dos reservatórios caiam.

– Qual é a estratégia utilizada pela Companhia como enfrentamento do período de estiagem no que diz respeito aos reservatórios? 

Segundo Cristiano Gouveia, a Caesb opera seus reservatórios em busca de armazenar o maior volume de água possível durante a época de chuvas no DF. Durante esse período, a preferência em termos de captação é a fio d’água (sem reservatório). Dessa forma, busca-se iniciar o período de seca com bons volumes reservados nos lagos Descoberto e Santa Maria, além do Lago Paranoá, que passou a ser um manancial para o abastecimento de água no DF em 2017. Dependendo do comportamento durante o período de seca e da recuperação de cada um desses reservatórios no período chuvoso anterior, a Caesb pode realizar modificações na forma de utilização dos mananciais, preservando aquele que esteja em situação de maior vulnerabilidade. 

– Em média, em quanto aumenta o consumo de água no DF no período de seca? Como a população pode controlar o uso da água?

Em termos gerais no DF, os meses de maior consumo possuem um acréscimo de aproximadamente 7% em relação à média anual. Entretanto, algumas regiões demandam acréscimos superiores à média do DF, obtendo incrementos da ordem de 10%. A população deve sempre fazer a sua parte e utilizar a água de forma racional e evitar os desperdícios. 

– Como está a disponibilidade hídrica das pequenas captações? Houve investimentos em 2020?

Os boletins de monitoramento das pequenas captações, até então, indicam que 2021 poderá ser um ano de boas vazões. As observações de março deste ano apresentaram valores próximos ou superiores aos percebidos em março de 2020 (que foi um ano com boa disponibilidade hídrica). Além disso, é possível afirmar que foram realizados importantes investimentos na melhoria dos sistemas. O período de estiagem de 2021 contará com a operação de melhorias executadas, e outras em execução, que reforçarão os sistemas com maior dependência de captações a fio d’água no DF, localizadas em Sobradinho, Planaltina, Jardim Botânico e São Sebastião.

– E na área rural? Como produtores e agricultores podem contribuir para o uso racional de água?

O superintendente de produção de água da Caesb, Diogo Gebrim, alerta que, além dos cuidados de uso racional de água a serem observados nas áreas urbanas, os produtores e agricultores devem evitar o uso de água potável para fins não domésticos (como irrigação e dessedentação de animais). Eles devem também procurar culturas e atividades agrícolas que sejam compatíveis com a disponibilidade hídrica da região. É preciso manter o bom funcionamento de eventuais sistemas de irrigação e buscar orientação técnica para o correto dimensionamento e uso desses sistemas.

GDF anuncia a liberação de R$ 3 milhões para projeto de acessibilidade no Lago Norte

O administrador regional do Lago Norte, Marcelo Ferreira, e o secretário de economia, André Clemente, estiveram reunidos com a paratleta da Seleção Brasileira de Paracanoagem, Andréa Pontes, na manhã desta segunda feira (24/05) para inaugurar as primeiras intervenções de acessibilidade do Parque Ecológico do Lago Norte. Fruto de um acordo de cooperação entre o Instituto Brasília Ambiental e a Associação de Paracanoagem de Brasília, com apoio da Secretaria de Turismo do DF (Setur), a unidade de conservação recebeu contêineres com pisos adaptados, rampas e sinalização em braile.

Durante o evento, com a presença de diversas autoridades, e representantes da UNA – União Nacional de Acessibilidade, o secretário de economia, anunciou em primeira mão, a liberação de R$ 3 milhões, autorizados pelo governador Ibaneis Rocha, para a conclusão do projeto de acessibilidade e inclusão no Parque Vivencial ll do Lago Norte.

O Parque Ecológico do Lago Norte, localizado próximo à ponte do Bragueto, é caracterizado por ser uma unidade ecológica bastante usada pela população local para a prática de skate, caminhada e esportes náuticos. Aos finais de semana, moradores de todo o lado leste de Brasília frequentam a área, principalmente que dá acesso ao Lago Paranoá.

Para o administrador regional do Lago Norte, Marcelo Ferreira, o anúncio foi recebido com grande alegria, e comemorado não somente pelos moradores do Lago Norte, mas toda a população do Distrito Federal, pois com as implementações, se tornará o maior parque, com 100% de acessibilidade e inclusão do mundo. Especialmente para as pessoas com deficiência. “Além das pessoas com necessidades especiais, o parque também irá beneficiar idosos, gestantes, e pessoas com qualquer tipo de limitações, já que terá acessibilidade para todos” completou o administrador.

Nesta primeira etapa, inaugurada nesta manhã, um pacote de ações incrementados em conjunto, possibilitou o acesso e a participação das pessoas com deficiência física, intelectual, auditiva, visual ou múltipla. O objetivo é expandir o modelo de acessibilidade para outras unidades de conservação.

“Entendemos que toda pessoa com deficiência – física, intelectual, visual ou auditiva – deve ter direito à igualdade de oportunidades assegurada. Nosso projeto propõe o acolhimento, atividades gratuitas para reabilitação e inclusão social de pessoas com ou sem deficiência, visando o acesso ao esporte e ao lazer, minimizando os impactos causados por diferentes condições”, afirma a presidente da UNA e paratleta da Seleção Brasileira de Paracanoagem, Andréa Pontes.

Serão disponibilizadas através do Projeto Una Parque, coordenado pela Unidade Nacional de Acessibilidade, aulas de canoagem, stand up paddle, yoga, tiro com arco e tênis de mesa, com agendamento prévio pelo site unaparque.com.br. As atividades são gratuitas e seguem as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Vacinação de professores começa nesta quinta (20)

O Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Secretaria de Saúde, começa a vacinar profissionais da educação nesta quinta-feira (20). A informação foi divulgada em entrevista coletiva no Palácio do Buriti, na tarde desta segunda-feira (17). Há expectativas de que esse processo seja, inclusive, antecipado, caso as novas doses de vacinas para o DF esta semana cheguem antes da data prevista.

Foram reservadas 10 mil doses de vacinas, inicialmente, aos professores e funcionários de creches públicas e privadas. Os profissionais serão direcionados a postos de vacinação próximos aos locais de trabalho. As informações serão repassadas pela Secretaria de Educação à de Saúde. Não haverá necessidade de agendamento.

“A decisão de começarmos pelas creches foi por uma preocupação do governador Ibaneis Rocha para que pais e mães possam voltar ao trabalho [presencial] e tenham, o quanto antes, onde deixar as crianças”, informou o secretário da Casa Civil Gustavo Rocha.

A previsão da campanha é atender, nas etapas seguintes, os profissionais de educação de todas as instituições. A determinação do governo é de que a volta às aulas só ocorra depois de aplicadas as duas doses do imunizante.

Agência Brasília

Programa Educador Esportivo Voluntário chega para reativar atividade física das crianças do DF

O presidente da Câmara Legislativa do DF, Rafael Prudente do MDB, participou nesta quinta-feira (13), da cerimônia de lançamento do Programa Educador Esportivo Voluntário ocorreu no Palácio do Buriti nesta manhã de quinta (13).

A Secretaria de Esporte e Lazer do DF lançou o Programa Educador Esportivo Voluntário, que beneficiará 12 mil pessoas entre professores e alunos. De forma gratuita para os alunos, os profissionais serão agentes do condicionamento físico da população, combatendo o sedentarismo.

As séries esportivas serão realizadas em espaços públicos em todo DF, com 400 professores voluntários. A ajuda de custo mensal será de R$ 800.

governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, durante pronunciamento, lembrou o trabalho da, hoje deputada federal, Celina Leão (PP), quando foi secretária de Esporte e Lazer deixou tudo encaminhado para Giselle Ferreira de Oliveira, que tem tocado com sua equipe trabalho de união com os esportistas de todo o DF.

Ibaneis citou o carinho do ministro da Cidade, João Roma, tem dedicado aos projetos do DF apresentados. “Eu conheço a competência e o carinho de Roma pelo povo brasileiro e pelo seu estado o que vai nos deixar um legado muito importante.”

O governador informou que trabalhará para dobrar de 500 para 1000 os participantes do programa “o mais rápido possível”. Ele acrescentou que os parques e áreas públicas, nos campinhos e quadras e a criançada brincar serão utilizados pelas crianças, que, inclusive serão entregues uniformes e chuteiras para os pequenos.

O presidente da CLDF, deputado Rafael Prudente, enalteceu a quantidade de pessoas voluntárias. Ele citou ter visto pessoas que tiram de casa para poder investir num projeto social. Ele classificou o programa como um dos mais importantes que participou, pela abrangência que terá, com quase 500 pessoas que serão contratadas.

GDF em ação

O céu de Brasília nos leva ao rumo certo.

  • A Secretaria de Saúde alerta que deve ser mantido o distanciamento social, uso de máscara e higienização constante das mãos até que se atinja a chamada imunidade de rebanho, quando boa parte da população estiver imunizada. “Tem que manter os cuidados no intervalo e após as duas doses, pois nenhuma vacina é 100% eficaz e sempre existe o risco de as pessoas adoecerem”, alerta a infectologista do Hospital Regional da Asa Norte, Joana D’Arc Gonçalves.
  • De acordo com a enfermeira da área técnica de imunização da Secretaria de Saúde, Fernanda Ledes, as pessoas devem respeitar um intervalo de 14 dias entre a vacina contra a Covid-19 e a da influenza. A orientação, segundo Fernanda, é que as pessoas que são público-alvo da vacina contra a Covid priorize receber esse imunizante, aguarde 14 dias e faça a da gripe. Caso não esteja na sua vez de vacinar contra o Coronavírus, a recomendação é fazer a da Influenza, esperar o mesmo intervalo e começar o esquema da vacina contra a Covid assim que chegar sua vez.
  • O secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do DF, Gilvan Máximo, vai entregar na próxima quarta-feira (12), às 9h, 200 computadores para alunos de baixa renda. A ação será na Administração Regional de Brazlândia. Os computadores doados são provenientes do programa Reciclotech.

Delmasso apresenta projeto “Nossa Quadra” para revitalização de quadras do DF junto aos moradores

O deputado Delmasso (Republicanos), vice-presidente da Câmara Legislativa do DF, elaborou projeto de lei para que as quadras do Distrito Federal possam ser revitalizadas. A execução das melhorias será feita em parceria com as associações de moradores, prefeituras comunitárias, conselhos comunitários e cooperativas habitacionais.

Com a proposta, o poder público poderá estabelecer parcerias com as organizações mencionadas para revitalização de áreas internas das quadras do Distrito Federal. São contemplados serviços como jardinagem, roçagem, manutenção de pontos de encontro, quadras poliesportivas, parques e demais instalações de uso comunitário. “O crescimento populacional exige do Poder Público uma melhoria na qualidade dos serviços públicos e na manutenção nas cidades”, diz Delmasso.

Dessa forma, o Governo estabelecerá vínculos com as comunidades, facilitando no levantamento de necessidades e agilizando o processo de manutenção, que por vezes, é lento e ineficaz. A transferência de recursos também facilitará a manutenção e instalação dos espaços, que são relevantes no convívio comunitário. “A respectiva política pretende unir esforços de atuação do poder público e das organizações da sociedade civil para revitalizar ou conservar as inúmeras áreas públicas existentes nas quadras residenciais no Distrito Federal”, justifica Delmasso.

O deputado tem também, outro projeto de lei na Câmara Legislativa que trata da certificação aos Prefeitos de Quadras. A proposta visa incentivar a conservação das quadras e abordar temas de interesse público entre os moradores da região. Trata-se de um projeto fundamental para a proposta do “Nossa Quadra”, visto que os Prefeitos atuarão diretamente na manutenção e preservação dos ambientes que residem.

Foto: Rogério Lopes

*Lei proíbe tatuar e colocar piercing em animais no DF*

O governador Ibaneis Rocha (MDB) sancionou a Lei 6.845/2021, que proíbe a realização de tatuagens e a colocação de piercings permanentes em animais, com fins estéticos. O texto do projeto do deputado Daniel Donizet (PL) foi publicado, na íntegra, dia 30, no Diário Oficial do Distrito Federal.
A partir de agora, a prática é considerada maus-tratos no DF. Em caso de descumprimento da lei, tanto o tutor quanto o profissional responsável pelo procedimento poderão responder pelo crime de maus-tratos e ainda pagar multa de cinco salários mínimos, por cada tatuagem ou piercings realizados. Ainda segundo o texto, se houver reincidência, os valores da multa devem ser aplicados em dobro. 
Segundo o deputado Daniel Donizet, ele resolveu apresentar o projeto após se deparar, na internet, com fotos e notícias de animais com tatuagens e piercings permanentes. “Porcos, gatos e cachorros de pelo curto têm sido alvo de tatuadores e tutores que exibem seus animais como uma ‘tela viva’. Isso não é arte e sim maus-tratos. Assim que soube desse absurdo, pedi pra minha equipe elaborar um projeto de lei que proibisse a prática no DF”, pontuou.
O parlamentar defende que infringir dor e sofrimento a um animal é crueldade. “Todos sabem, por experiência própria ou por relatos de conhecidos, que fazer uma tatuagem ou colocar um piercing é algo extremamente doloroso. Não podemos permitir que animais, seres que não podem expressar sua vontade, sejam submetidos a essa dor apenas para satisfazer o desejo e as preferências estéticas do tutor”, defendeu o distrital. 
Daniel lembra ainda que o procedimento traz riscos para o animal. “Pets tatuados são expostos a várias complicações como alergias, infecções e cicatrizes”, disse.
Para o deputado, a cultura de que animal é “coisa” e “propriedade do tutor” deve ser combatida por meio da aprovação de leis de proteção e campanhas de conscientização da população. “Animal não é propriedade de ninguém. Animal é um ser vivo que, assim como nós seres humanos, sente dor, fome, sede, frio e merece respeito”, finalizou.
*11 LEIS EM FAVOR DOS ANIMAIS*O deputado Daniel Donizet tem dedicado boa parte do seu mandato na defesa do bem-estar e da garantia dos direitos dos animais no DF. O parlamentar já tem 11 Leis em vigor relacionadas à causa, em pouco mais de dois anos de mandato.
É dele a Lei que proíbe o acorrentamento de animais, assim como a que veta o uso de coleiras de choque. A Lei que obriga síndicos e administradores de condomínios a notificarem casos de maus-tratos à Polícia em até 24 horas também é de autoria do Daniel.

O governador Ibaneis Rocha (MDB) sancionou a Lei 6.845/2021, que proíbe a realização de tatuagens e a colocação de piercings permanentes em animais, com fins estéticos. O texto do projeto do deputado Daniel Donizet (PL) foi publicado, na íntegra, hoje (30), no Diário Oficial do Distrito Federal.
A partir de agora, a prática é considerada maus-tratos no DF. Em caso de descumprimento da lei, tanto o tutor quanto o profissional responsável pelo procedimento poderão responder pelo crime de maus-tratos e ainda pagar multa de cinco salários mínimos, por cada tatuagem ou piercings realizados. Ainda segundo o texto, se houver reincidência, os valores da multa devem ser aplicados em dobro. 
Segundo o deputado Daniel Donizet, ele resolveu apresentar o projeto após se deparar, na internet, com fotos e notícias de animais com tatuagens e piercings permanentes. “Porcos, gatos e cachorros de pelo curto têm sido alvo de tatuadores e tutores que exibem seus animais como uma ‘tela viva’. Isso não é arte e sim maus-tratos. Assim que soube desse absurdo, pedi pra minha equipe elaborar um projeto de lei que proibisse a prática no DF”, pontuou.
O parlamentar defende que infringir dor e sofrimento a um animal é crueldade. “Todos sabem, por experiência própria ou por relatos de conhecidos, que fazer uma tatuagem ou colocar um piercing é algo extremamente doloroso. Não podemos permitir que animais, seres que não podem expressar sua vontade, sejam submetidos a essa dor apenas para satisfazer o desejo e as preferências estéticas do tutor”, defendeu o distrital. 
Daniel lembra ainda que o procedimento traz riscos para o animal. “Pets tatuados são expostos a várias complicações como alergias, infecções e cicatrizes”, disse.
Para o deputado, a cultura de que animal é “coisa” e “propriedade do tutor” deve ser combatida por meio da aprovação de leis de proteção e campanhas de conscientização da população. “Animal não é propriedade de ninguém. Animal é um ser vivo que, assim como nós seres humanos, sente dor, fome, sede, frio e merece respeito”, finalizou.
*11 LEIS EM FAVOR DOS ANIMAIS*O deputado Daniel Donizet tem dedicado boa parte do seu mandato na defesa do bem-estar e da garantia dos direitos dos animais no DF. O parlamentar já tem 11 Leis em vigor relacionadas à causa, em pouco mais de dois anos de mandato.
É dele a Lei que proíbe o acorrentamento de animais, assim como a que veta o uso de coleiras de choque. A Lei que obriga síndicos e administradores de condomínios a notificarem casos de maus-tratos à Polícia em até 24 horas também é de autoria do Daniel.